Tóxico para todos os organismos vivos, usado em 80% das terras agrícolas, os pesticidas SDHI

inibem uma enzima: Succinato DésHydrogenase

 

SDHI em imagens

Os SDHIs são reconhecidos como altamente tóxicos

Você tem que se equipar como cosmonautas para usá-los

Mas o IHDS é amplamente distribuído na natureza

Para algumas pessoas, o contacto directo leva à morte (minhocas, peixes)

A infiltração lenta provoca a morte de abelhas e tumores em roedores

É encontrado em alimentos, bebidas e cabelos

Mas o mercado finananceiro  SDHI está florescendo e se expandindo

SDHI: Perguntas e Respostas

ANSES : Agência Nacional para a Alimentação, Ambiente e Saúde e Segurança no Trabalho

       No laboratório… e nas lojas

      Medicação que enveneno… e curo

MAIS ALÉM

A história toda

O curso dos efeitos

A cronologia factual desde a emissão do alerta,no  primeiro tempo às autoridades sanitárias (ANSES; Agence Nationale de Sécurité Sanitaire de l’Alimentation, de l’Environnement(embiente) et du Travail),  depois, face à sua inércia, à imprensa nacional (jornal Libération)

Do lado de L'ANSES

Acesso a parte dos documentos gerados pela ANSES relativos aos SDHI e às respostas detalhadas  fornecidas quando  a necessidade  apareceu de o fazer

No lado das assembleias

Aqui você encontrará referências a questões relativas às SDHI levantadas por funcionários eleitos após o nosso alerta, as respostas das autoridades, bem como uma menção das reuniões nas quais fomos levados a participar em relação às SDHI

canto da ciência

O básico

Uma breve apresentação do mecanismo pelo qual as SDHIs trabalham e a razão de sua toxicidade para todo mundo vivo

Artigos de pesquisa

Dados científicos, sob a forma de ligações ou directamente em artigos, que indiquem as consequências da inibição da SDH nos seres humanos e nos animais e ilustrem o perigo representado pelos pesticidas mitocondriotóxicos do tipo SDHI

NO ESTRANGEIRO

Uma secção relativa aos poucos comentários recebidos do estrangeiro sobre a utilização de SDHI

E nÓs quem somos ?

Os cientistas a origens  do chamado  sobre os perigos representados pelos SDHIs (publicado em abril de 2018 na revista Libération), Paule Bénit, PhD (Engenheiro de Pesquisa IR2 INSERM ; Instituto Nacional de Saúde e Investigação Médica) e Pierre Rustin, PhD (Director de Investigação Emérito da CE no CNRS; Centre National de la Recherche Scientifique), membros da Equipa de Fisiopatologia e Terapia das Doenças Mitocondriais, da Unidade de Investigação Conjunta INSERM UMR 1141 (localizado no Hospital Robert Debré, no 19º arrondissement de Paris), dirigido por Pierre Gressens, Director de Investigação do INSERM e Professor de Neurologia Fetal e Neonatal no King’s College em Londres

o alerta inicial

Membros do CNRS (Malgorzata Rak, PhD, CR1 Research Officer, UMR 1141), INSERM (Judith Favier, PhD, DR2 Research Director, UMR970 Cancerology, Georges-Pompidou European Hospital; Dominique Chrétien, PhD, IR2 Research Engineer, UMR 1141); AP-HP (Assistance Publique – Hôpitaux de Paris; Anne-Paule Gimenez-Roqueplo, MD, PhD, Professora, Oncologia, Hospital Europeu Georges-Pompidou; UMR970; Manuel Schiff, MD, PhD, MAISTRE DE CONFERENCIAS das UNIVERSIDADES , MEDICO CLINICO; UMR 1141) juntaram-se entre outros na chamada inicial destacando os perigos da utilização das ISDHIs e pedindo que a sua utilização fosse suspensa na aplicação do princípio da precaução.

contato

Deseja manifestar o seu apoio e/ou ser informado de projectos e progressos

Contato

8 + 7 =

Gostaríamos de agradecer a David Pavlowsky pela sua ajuda na criação do site, Jorge Gallego pela sua revisão, Céline Xiang Li, Riay ElKhoury, Amazigh Mokhtari , Maria Afonso e Robert Lightowlers pelas traduções, Nicole Pavlowsky pelos seus desenhos e Jackie Duret pelas suas fotografias.